Google+

terça-feira, 19 de outubro de 2021

Sombras

Como uma sombra persegues-me, a existência de um mim que se esfuma, que me acompanha mas que nunca é realmente eu.

Uma sombra, escura do que foi antes luz, sombrio do que antes foi radiante, triste do que antes foi alegre. a minha sombra acompanha-me, nao sou eu, mas tb o sou. Sou eu retorcida pelo ambiente, pelo que me atinge. Sou eu mas não sou eu.

Uma sombra, não mais que uma sombra.

tento agarra-la po-la no seu lugar, retorna-la a seu dono, mas ela teima em espreitar nos mais reconditos espaços, quando penso que estou sozinha, ou quando estou visivelmente feliz e acompanhada.

A sombra relembra-me o que esta errado e distorcido, aquilo que não consigo mudar, aquilo que quero mudar. a sombra relembra me para sempre que eu não sou perfeita e que estou a falhar.

Eu queria fazer melhor e reparar os danos mas não consigo. É mais forte que eu.

A dormir não há sombras, há dormir há silêncio e paz. 

Não sei onde as sombras vão parar mas não as quero seguir, elas seugem por caminhos retorcidos e longe da nossa essência. É tempo de encontrar o ponto médio onde a sombra se encontra com a essência e onde tudo fica nítido, e somos um só. 


É tempo de mudar de ângulo.

É tempo de iluminar as sombras.

Sem comentários:

Enviar um comentário